Ainda Guilin

Agora são 08:00h e em 20 minutos começa mais uma semana de estudos de chinês. Choveu durante toda a noite, mas apesar disso nos últimos dias o frio já não tem mais castigado tanto quanto antes: lá fora o termômetro marca 8˚C.

Nos dias bonitos e relativamente agradáveis (para um inverno), Guilin nos presenteia com um belo visual:

Vista da cidade
Vista da cidade
Parque em Guilin - Que Cores
Parque em Guilin - Que Cores
Ainda no Parque - Lindo!
Ainda no Parque - Lindo!

Nessas últimas semanas não tenho podido nadar, já que a única piscina financeiramente acessível da cidade fechou as portas durante o inverno e só reabre em março. Para não ficar parada e lutar contra o arroz e sua incrível capacidade de se acomodar em cada canto do meu corpo, tenho acordado 1 hora antes do previsto para correr. Tenho que confessar: não amo correr, mas, sim, a sensação pós-corrida. Mas nunca, nem no calor mais insuportável do Rio de Janeiro!, uma corrida foi tão desafiadora quanto aqui: correr no frio de 1˚C, de underwear e luvas, não é algo que do qual vou sentir saudades. Hoje de manhã, felizmente, a chuva me eximiu dessa árdua tarefa.

Mas existem alguns mais guerreiros que eu. Para eles tiro meu chapéu. São os seguidores (se assim posso chamar) de uma Escola de Estudos de Confucius que tem em frente ao prédio onde moro. A praticamente cada manhã, inclusive nas mais frias do ano, quando ainda está escuro e por vezes chove, uns 20 deles se reúnem no pátio da escola por mais de 1/2 hora para orar e recitar alguns versos em chinês que não compreendo. Estes, sim, são corajosos: enquanto eu corro do frio, eles enfrentam o frio praticamente parados!

Cerimônia Na Escola de Confucius
Cerimônia Na Escola de Confucius

Uma curiosidade: “China” em chinês se chama Zhong Guo (中国), que quer dizer o “país do meio”. Imaginam o por quê? Bem, o que me foi dito é que, para os chineses, a China é o centro do mundo. Alguns podem achar isso arrogante, mas sinceramente eu não acho diferente do que acontece nos outros países. Acho que os habitantes de cada país consideram, bem ou mal, seus países como o centro do mundo. Não que os outros países não sejam importantes mas, sim, de fato estão mais distantes, e a distância enfraquece as relações. O que achei interessante aqui é que o mapa deles reflete essa idéia. Aqui nunca vi um mapa-mundi igual ao que estamos habituados no ocidente. Vejam só a foto que tirei no aeroporto de Kunming:

Mapa Na China
Mapa Na China

Nesse dia, aliás, quase perco o vôo. O avião tinha atrasado, e o saguão estava lotado. Fiquei esperando um pouco afastada do gate, atenta ao alto-falante. Mas os danados só anunciaram o check-in em chinês, imaginem só! Desnecessário dizer que não entendi patavinas… sorte que eu, desconfiada que sou, lá pelas tantas fui conferir. Entrei e encerraram o check-in! Foi por um triz…

This entry was posted in Viagens. Bookmark the permalink.

4 Responses to Ainda Guilin

  1. Marcia Barros says:

    Mais uma vez ele (anjo) te salvou. Coitado, passando essa friaca e vc ainda dando susto!! Qdo vc falou dos chineses acharem que são o centro do mundo me lembrei da referencia que fazem a Alto Paraíso de Goiás. Isso deve ser o ego coletivo. Esse mundão é demais, aqui a galera nos blocos e aí rezando no frio. O mais legal é a liberdade de escolha, reza quem quer e sai em bloco quem quer. Nada de obrigação e sim ouvir o coração. Beijão Chan.

  2. Willy Chen says:

    Ola Chantal,
    ( computador que estou usando nao e para portugues )

    Agora que consigui entra seu blog de novo, estou lendo aqui em Edinburgh, casa da minha filha.
    Ela ganhou um menino dia 6 de janeiro(ainda e coelho), e hoje fazer um mes, se fosse na China, estamos fazendo festinha de um ano e apresentar aos parentes e amigos.
    Figuei com saudade da passagem do ano atraves seu relato e as fotos, videos. Especialmente hon-bao, quando pequeno juntei todos envelope vermelho que ganhei dos vovos, tios, tias e dar para comprar uma bicicleta nova.
    Sylvia aprendeu chines durante dois anos em Rio, uma escola junto com igreja protestantes da colonia taiwannes. Onde eu era professor tambem. Mas quando viajavamos para China, ela acabou disitir de falar mais chines. Razao dela e quando ela comecar falar, as chinesada comecar rir dela. Ai ela ficou muita vergonha e raiva. Estou contando isso, e para vc tomar coragem de essa passagem de 4 tones, sa’n-sa.u-sa;n-s^an. Se vc vencer essa barreira e nao ficar chatiada de pessoa ficar com cara de nao entendeu ou rindo, vc venceria a apredizagem.
    Abracos, Willy 0206.1924

    • admin says:

      Edinburgh, Willy?! Uau, deve ser interessante por aí, hein? Parabéns pelo netinho!
      Pois é, aprendi que “hong bao” é coisa séria!
      Sobre aprender o chinês, olha, a coisa é realmente complicada. Entendo a Sylvia perfeitamente! Não fosse eu meio cara-de-pau, acho que morreria de vergonha também!!!!

Comments are closed.