Padang Bai – Bali

Padang Bai é uma praia de areia branca (porque aqui há também as de areia preta!) a pouco mais de duas horas de Denpasar (onde aterrisei), na costa leste da ilha. Um amigo meu francês me recomendou o lugar, dizendo que era bem menos agitado que outros lugares da ilha (tais como Kuta, onde nem me atrevo a ir, de tão turístico que deve ser!). De fato, a cidade é pequena e os turistas, poucos. Mas, chegando lá, uma surpresinha!

Para chegar em Padang Bai, optei por pegar um ônibus que interliga alguns pontos turísticos da ilha. O ponto de espera era numa mercearia, e lá esperei por uns 10 minutos até embarcar. Nesse meio-tempo, comecei aquela mesma conversa típica com os locais. Nesse momento tenho que expressar meus sinceros agradecimentos às modelos, aos jogadores de futebol e aos sambistas brasileiros! O Brasil é adorado no resto do mundo por puro mérito deles! Não há uma vez sequer em que falo que sou brasileira e não sou bem recebida por um sorriso seguido de algum comentário tipo: “Ronaldo”, “Cacá”, “Pelé”, “Samba”, “Gisele B…”. Mas, prestem atenção!, desta vez na mercearia, constato o nascimento de mais uma nova estrela brasileira!! Uma personalidade da música se torna mundialmente conhecida! Não, nada de Tom, Chico, Gal ou João Gilberto! Pasmem: Michel Teló! No que falei que era brasileira, ela logo arriscou: “Ei, Psiu! Beijo me liga!”. Oh, nãaaaao, pensei comigo! E ela inclusive tinha a música no celular! É, minha gente, quem poderia dizer que Michel Teló é sensação em Bali!?

Duas horas e meia depois chegamos na praia! Logo depois já tinha encontrado um lugarzinho super aconchegante, na beira da praia, para o pernoite: um guest-house com piscina, jardim com flores lindas e muito passarinho! Depois de um mergulho na piscina, fui fazer o reconhecimento do local! E foi então que vi muuuuitas pessoas na cidade! Muita gente circulando de um lado para o outro!

Voltando das Oferendas
Voltando das Oferendas

E essa foi minha supresa: na cidade, um festival de 3 dias, com direito a oferendas, rezas, shows de teatro e de dança, tudo nos dois templos a cinco minutos do meu hotel! Fiquei maravilhada! Nesta ocasião, e em especial dentro dos templos, todas as pessoas, sejam homens, mulheres, crianças ou turistas, devem vestir trajes especiais chamados Sarongs em respeito aos deuses. Sarong é uma espécie de canga feita de seda, algodão ou do tecido que conhecemos por “bali”, com desenhos os mais variados. Homens e meninos, além de vestirem Sarong, também devem enrolar um pano na cabeça. Seria talvez o equivalente ao solidéu judaico.

Durante a cerimônia no templo, os devotos sentados ordenadamente no chão elevaram as mãos à testa e oraram, por vezes em silêncio, outras emitindo alguns sons irreconhecíveis por mim.

Orando
Orando

Como parte do ritual, retiraram algumas flores das oferendas que trouxeram e as colocaram atrás das orelhas.

Flores
Flores

Passam-se cerca de vinte minutos, e a cerimônia se aproxima do fim. Foi quando alguns “padres” do próprio templo passaram por todos os devotos abençoando-os com água e arroz. A água é bebida por três vezes e colocada na cabeça uma vez. O arroz é colocado no terceiro olho e/ou têmporas e/ou garganta.

Abençoando
Abençoando

À noite, um espetáculo de música e de teatro balineses!

Performance de Música Balinesa
Performance de Música Balinesa

No segundo dia fiz amizade com um vendedor de um dos quiosques na entrada do templo. Interessante como aqui muitos deles falam inglês. Depois de quase quatro meses na China quebrando a cabeça tentando me comunicar, isso aqui é o paraíso!!! Conversa vai, conversa vem, em determinado momento meu amigo me contou que nem tudo é uma maravilha no país. Além da corrupção do governo, objeto de reclamação de vários balineses com quem já conversei, ele também mencionou a intolerância existente entre muçulmanos e hindus. Bali é uma ilha de maioria hindu. A Ilha de Java é de maioria muçulmana. Principalmente após os atentados de 2002 e 2005, assumidos por grupos islâmicos em Kuta, a praia mais famosa de Bali, a animosidade entre os dois povos só fez aumentar.

Questões políticas e religiosas à parte, meu amigo preparou um delicioso café balinês e me ofereceu umas frutas também típicas da região.

Frutas de Bali
Frutas de Bali

Dentre as frutas, uma provei pela primeira vez: Salá. É essa aí, com casca tipo “escama de cobra” e sabor parecido com abacaxi.

Uma Fruta: Salá
Uma Fruta: Salá

No dia seguinte, fechei minha visita a Padang Bai com uma praia divina.

Praia
Praia

Divina até a hora em que começou a chover! Eu e todos os turistas nos escondemos embaixo dos quiosques para esperar a chuva passar! Aqui é assim: sol, chuva, sol, chuva, sol, chuva… em Bali esses dois gostam de uma prosa!

This entry was posted in Viagens. Bookmark the permalink.

3 Responses to Padang Bai – Bali

  1. Marcia Barros says:

    Chan, há muito tempo não ouvia falar dos sarongs. Quando eu era adolescente e vc um bebê era um traje muito usado nos bailes Carnaval. Acho bonito estas festas devocionais que não são realizadas para agradar turistas. Esta coisa da corrupção é um nojo, presente na vida de todos habitantes do planeta. Beijão.

    • admin says:

      Olha só, é mesmo? Bem que eu achava que já tinha ouvido essa palavra (sarong) antes, mas não fazia idéia de onde!
      Sobre a corrupção, um nojo mesmo. Eu estava outro dia andando aqui de moto sem capacete com um amigo meu e fomos parados (com razão) pelos policiais. Eles começaram com um papo de multa, e eu logo falei com meu amigo que iria pagar a multa e não subornar, para não incentivar a prática. Chegamos a dar o dinheiro pros policiais, e pedimos o recibo. Quando falamos em recibo, aí entendemos que o dinheiro que tínhamos dado era para não levar o caso adiante (tribunal), para morrer ali mesmo: ou seja, esse era o suborno. Pegamos o dinheiro de volta e começamos a fingir que estávamos ligando para a embaixada, para outras pessoas… demoramos um tempo nisso. Quando eles viram que não seria tão fácil tirar $$ da gente, aceitaram nossa proposta: meu amigo iria na loja buscar 2 capacetes enquanto eu esperaria ele na cabine, e assim resolveríamos o caso. E foi assim que fizemos. Tivemos uma certa sorte, acho. Esse tipo de coisa aqui não é fácil, não.

  2. Chan!
    esse Teló já está famoso no mundo todo, até os soldados do exército israelense dançaram essa musiquinha, é mole? nem o próprio rapaz esperava todo esse movimento, como você disse, pelo menos o Brasil é bem quisto graças a essas celebridades..
    ah, amei a ‘piscina’ com as águas ‘curadoiras’, eu entraria na fonte para pôr fim aos pesadelos! rs mas ultimamente, desde que sua mamy me tratou, nunca mais fui assombrada por esse mal 😉 prefiro ficar com a curandeira aqui pertinho mesmo, hehe.
    amigaaaaaaaaaaaaa! tô contando os dias pra sua volta, não vai ao Japão sem mim não, quero ir também!
    beijosss!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Connect with Facebook